Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



facebook




Contacto

Facebook


Portugal é um dos desastres económicos da Europa. Ficou mais pobre depois da austeridade

Segunda-feira, 06.07.15

Foto de José Carlos Barretta, flickr.

Para o Nobel da Economia, Paul Krugman, a austeridade levada a cabo cegamente pelo partido da maioria PSD/CDS, apenas serviu para empobrecer as pessoas.

 

O Nobel da Economia lembra que "Portugal também obedeceu à ordem para implementar uma dura austeridade e está agora 6% mais pobre do que antes". Paul Krugman volta a apelar ao 'não' no referendo grego, defendendo que se ganhar o "sim", os gregos estarão a dar "poder e coragem aos arquitetos do falhanço da Europa".

 

Num artigo intitulado “Os vários desastres económicos da Europa”, publicado na sua coluna no The New York Times, o Nobel da Economia desmonta a ideia de que a Grécia é um caso isolado.

 

Krugman dá o exemplo da Finlândia, ironizando que este país "não poderia ser mais diferente dos corruptos e irresponsáveis" países do Sul da Europa, além de ser um "modelo de sociedade europeia, com um governo honesto, finanças públicas sólidas, rating sólido e que consegue financiar-se nos mercados a taxas incrivelmente reduzidas".

 

O economista lembra que oito anos de crise económica na Finlândia já cortaram o PIB per capita no país em 10% e que "não há sinais de que pare por aqui".

 

Se não fosse a crise no Sul, a Finlândia poderia "muito bem ser vista como o desastre épico europeu", vinca.

 

O Nobel da Economia refere, porém, que a Finlândia não está sozinha, fazendo parte de “um arco de declínio económico que se estende desde a Europa do Norte através da Dinamarca – que não faz parte do euro mas gere o seu dinheiro como se fizesse – até à Holanda.

 

Paul Krugman assinala ainda o exemplo de outros países do Sul da Europa, como a Espanha, que tem uma "taxa de desemprego de quase 23% e o PIB per capital está ainda 7% abaixo dos níveis pré-crise"ou Portugal, que também obedeceu à ordem para implementar uma dura austeridade e está agora 6% mais pobre do que antes".

 

Fonte: Esquerda.Net

 

 
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)