Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



facebook




Contacto

Facebook


Coreia do Norte e o gabinete 121 - Eles também tem hackers

Sábado, 06.12.14

A Coreia do Norte, apesar do isolamento e da pobreza, gasta imenso dinheiro com uma organização chamada Gabinete 121. Trata-se da célula que leva a cabo a cíber-guerra travada por Pyongyang. Os privilégios a que têm direito quem ali trabalha não são nada comuns naquele país.

 

O Gabinete 121 volta a ser falado numa altura em que se admite que terá sido esta organização a atacar e roubar muita informação de uma rede de computadores da Sony.

 

Um diplomata norte-coreano já negou que tenha sido o governo de Pyongyang a ordenar o ataque, levado a cabo em novembro mas, segundo a agência Reuters, uma fonte no departamento de Segurança Nacional norte-americana garante que foi da Coreia do Norte que o "hack" teve origem.

 

Alguns desertores contam que no Gabinete 121 trabalham alguns dos mais talentosos informáticos da Coreia do Norte e que esta organização está ligada ao Bureau do Reconhecimento, uma agência de espionagem de elite e ligada aos militares.

 

 

É desta célula que têm partido algumas ações informáticas que têm como objetivo sabotar ou obter informações acerca dos inimigos de Pyongyang. Habitualmente os cíber-ataques que partem da Coreia do Norte têm como alvo a vizinha Coreia do Sul mas porque os Estados Unidos são aliados deste país, não são de estranhar ataques contra a América.

 

Quanto às regalias oferecidas aos cíber-militares, os desertores falam em incentivos financeiros «muito grandes». Segundo a Reuters, «qualquer membro do Gabinete 121 poderia pagar para que a sua família viesse viver do campo para a cidade». Os membros são escolhidos a dedo, ainda muito jovens e têm direito a apartamentos gigantescos na melhor parte da capital Pyongyang e são relativamente ricos.

 

A agência de notícias sublinha que não é de estranhar que estes especialistas sejam muito bem tratados pelo regime. Como a Coeria do Norte não tem recursos para travar uma guerra convencional faz sentido pagar bem a estes cíber-militares que, apesar de tudo, têm boas hipóteses de levar a cabo ataques bem sucedidos.

 

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)