Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



facebook




Contacto

Facebook


Inferno foi inventado pela igreja para controlar as pessoas com o medo, afirma padre

Domingo, 03.07.16

Este vídeo é de uma entrevista com o bispo episcopal aposentado John Shelby Spong com Keith Morrison de Dateline da NBC que foi realizada por volta de agosto de 2006.

  

 

Spong: eu não acho que o inferno existe. Eu acredito na vida após a morte, mas eu não acho que ele tem a ver com a punição. A religião sempre esteve no negócio de controle, e isso é algo que a maioria das pessoas no mundo realmente não entendem.

Está num negócio de controle de produção de culpa. Você tem o céu como um lugar onde você é recompensado pela sua bondade e o inferno, um lugar onde você será castigado por todos os seus atos maus, então ai você tem o controle da população. E assim eles criam este lugar de fogo que tem, literalmente atormentado milhares de pessoas ao longo da história cristã. E é parte de uma tática de controle.

 

Morrison: Mas espere um minuto. Você está a dizer que o inferno, a ideia de um lugar debaixo da terra ou em algum lugar de tormentos eternos por uma eternidade – é realmente uma invenção da igreja?

 

Spong: Eu acho que a igreja disparou seus fornos mais quentes do que qualquer outra pessoa. Mas eu acho que há um sentido na maior parte da vida religiosa de recompensa e punição de alguma forma. A igreja não gosta de ver as pessoas a crescerem, porque você não pode controlar adultos. É por isso que falamos de nascer de novo. Quando você nasce de novo, você ainda é uma criança. As pessoas não precisam nascer de novo. Elas precisam crescer. Elas precisam aceitar sua responsabilidade para si e para o mundo.

 

Morrison: O que você acha da teologia que é bastante bastante proeminente nos dias de hoje na América, que está lá é uma maneira garantida para não ir para o inferno; e que é para aceitar Jesus como seu salvador pessoal?

 

Spong: Sim, eu cresci nessa tradição. Cada igreja alega de que “somos a verdadeira igreja” – Que eles têm alguma autoridade final, ‘Nós temos o Papa infalível,’ ‘Temos a Bíblia’ … A verdade é que o verdadeiro Deus está presente em qualquer ser humano, por qualquer credo humano, por qualquer livro humano.

 

”Quer dizer, Deus não é cristão. Deus não é um judeu ou um muçulmano ou um Hindi ou budista. Todos esses são sistemas humanos, que os seres humanos criaram para tentar nos ajudar a entrar no mistério de Deus. Eu honro minha tradição. Eu ando pela minha tradição. Mas eu não acho que minha tradição define Deus. Ela só me aponta para Deus.”

 

 

 

 

 
 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)